​HISTÓRIA

 
       Nas terras da atual Estância de Piraju viviam pequenas tribos indígenas Cayowás, em pontos próximos ao rio Paranapanema e outros riachos. Provavelmente, foram destes nativos que originou a primeira designação conhecida do local, “Tijuco Preto”, que pela linguagem tupi-guarani significa “caminho de entrada”.

        A partir de 1800, aos poucos, o local passou a se tornar ponto de ligação entre as províncias de São Paulo e Paraná e parada de viajantes. Em razão da fertilidade da terra e abundância de água, alguns colonos foram se estabelecendo, até que, em 1860, as famílias Arruda, Faustino e Graciano doaram parte de suas propriedades para a criação do Patrimônio de São Sebastião.

        Em 1871, foi instituída a Freguesia "São Sebastião do Tijuco Preto", pertencendo ao município de São João Batista do Rio Verde, hoje Itaporanga. Elevada à categoria de Vila, tornou-se município em 25 de abril de 1880, pela Lei Provincial 111, mas somente em 1891 recebeu sua denominação definitiva, "Piraju", derivada de "pira-yu" (peixe amarelo, em tupi-guarani).

        Em 2002, transformou-se em Estância Turística, título atualmente restrito a um grupo de 29 municípios paulistas e que garante verbas estaduais adicionais para investimento turístico.

        Em razão da destacada produção de café, durante a primeira metade do século passado, Piraju experimentou significativo progresso. Hoje, é conhecido internacionalmente pela produção de café de qualidade.

       Vários investimentos públicos e privados estão sendo realizados, com a intenção de encontrar no turismo um modelo econômico gerador de renda e emprego.



RIO PARANAPANEMA


        O rio Paranapanema tem 929 km de extensão, sendo 90,6 km cortando o município da Estância de Piraju. O rio de águas limpas, banhando a região sudeste do Estado de São Paulo, é rico em peixes, ainda que sua fauna tenha sido comprometida pelas barragens de hidrelétricas construídas em vários pontos de seu leito. Nasce na serra de Paranapiacaba (região Sul do Estado) e segue na direção oeste, até desembocar no rio Paraná, em Porto São José, na divisa de São Paulo, Paraná e Mato-Grosso do Sul. É navegável em mais de 80 km. Além das 10 usinas hidrelétricas, o rio abriga em seu leito sítios arqueológicos indígenas com até 8 mil anos, ruínas de missões jesuíticas do século XVIII, além de áreas de preservação ambiental e relíquias da arquitetura histórica. É considerado o único rio de grande porte não poluído do Estado de São Paulo. Em Piraju, existe o maior trecho natural do rio Paranapanema, cerca de 8 km, tombado em 2002 e localizado entre a foz do ribeirão Hungria e a do ribeirão das Araras.



REPRESAS


O município de Piraju tem impacto de quatro grandes represas, formadas pelas usinas hidrelétricas de Chavantes (Duke Energy), Paranapanema (Votorantim Energia), CBA (Votorantim Energia) e Jurumirim (Duke Energy). A usina Paranapanema está localizada dentro dos limites urbanos, unindo a cidade-sede Piraju a um de seus distritos (Tibiriçá do Paranapanema).​




DADOS GERAIS


Área: 506,4 km2

​Altitude média: 646 m

Clima: temperado

Temperatura média: 21º C

Distância da capital paulista: 330 km

Economia: agropecuária, comércio e indústria

População: 28.288 habitantes